Shakira: obrigado

MUITO AMOR! ontem fui um desses dias que eu vou levar pra vida!

em 1995, aos 8, comecei a consumir música. depois de elianas e xuxas, dei um primeiro passo e comprei Pies Descalzos. eu amava Estoy Aqui, amava Pies Descalzos, amava Donde Estas Corazon. e só ontem, dia 19 de março de 2011, eu me dei conta do quanto respeito, admiro e agradeço Shakira. No show, apenas 2 músicas do album novo, o resto: antigas. Sabor de fim de infância, cheiro de amadurecimento, texturas antigas. Não sei bem como colocar em palavras tudo o que senti, mas foi uma avalanche de sensações boas – ela sempre esteve nos meus melhores momentos – e a presença do palco era absurda.

ontem estive num dos melhores shows da minha vida, absolutamente rico, emocionante, sensorial. e acho uma pena que ela seja tão subestimada pela mídia. ela merece muito mais destaque do que realmente tem, muito mais prestígio, muito mais espaço.

dona de vídeos incríveis e ousados (“No Creo”, “Pies Descalzos”, “Ciega, Sordomuda”), de letras lindíssimas e honestíssima (“Don’t Bother”, “No Creo”, “Your Embrace”, “Que me Quedes Tu”), e de uma mistura étnicas fodida (“Ojos Asi”, “Gypsy”, “Whenever, Wherever”) – não tinha como não sentir tanto amor estando a alguns metrinhos dela!

abaixo, umas das músicas do set de ontem, que nem é das minhas preferidas, mas cujo clipe é muito foda:


Ciega, sordomuda

Sobre o show: eu trocaria algumas músicas! Faltou “Pies Descalzos”, “No Creo”, “No”, “Did it Again” (que eu amo mas não funcionaria em show mesmo), “Don’t Botheeer”!!!, e “Lo Que Más”. eu tiraria “Te Dejo Madrid”, “Si Te Vas” e “Las de La Intuition” – que eu amo mas não agitou ninguém, só eu mesmo… rs

Shakira, OBRIGADO! estava precisando de vc!!!


A morte do meu Twitter

É, estou num exercício contínuo contra o meu twitter. Envelheceu, definhou, seguindo o movimento pós-moderno ou hipermoderno; seguindo a lógica do Império do Efêmero; seguindo a velocidade da moda, da internet, de uma lebre… enfim.
Não fechei, não vou fechar. Só não entro mais! ou pelo menos evito!

Seguindo também a pobre lógica capitalista: o que eu ganho com isso? que tipo de retorno eu tenho com o twitter? Só reconheço uma energia negativa mesmo – cada um falando o que quer, como quer – e uma força que me impede de passar o dia tranquilo! Pra quê, então?
Exposição? não, muito obrigado! inclusive tranquei meu facebook completamente! sem fotos sem links sem marcel! nem mais meus amigos me enxergam direito por lá!

uma mudança brusca, ainda mais para uma pessoa tão virtual, tão digital, com perfis em todas as redes sociais que você pode imaginar: e muitas eu realmente gosto e levo a sério!
mas eu preciso continuar mudando e agora eu fechei! fechei as portas, fechei os excessos! não posso com o twitter como “meio de comunicação essencial”, do tipo “te mandei uma dm”, nem com todos os problemas que a gente descobre – muitas vezes sem querer – através dele! ainda prefiro o email, e até o telefone!

afinal, quando todo mundo vira emissor, quem eh o receptor desse mundo todo? eu não!


outra mala em outro corredor

não me chamem de brega nem de melodramático. não sou.


[Eva:]
I don’t expect my love affairs to last for long
Never fool myself that my dreams will come true
Being used to trouble I anticipate it
But all the same I hate it, wouldn’t you?

[Chorus:]
[Eva:] So what happens now?
[Che:] Another suitcase in another hall
[Eva:] So what happens now?
[Che:] Take your picture off another wall
[Eva:] Where am I going to?
[Che:] You’ll get by, you always have before
[Eva:] Where am I going to?

Time and time again I’ve said that I don’t care
That I’m immune to gloom, that I’m hard through and through
But every time it matters all my words desert me
So anyone can hurt me, and they do

[chorus]

Call in three months time and I’ll be fine, I know
Well maybe not that fine, but I’ll survive anyhow
I won’t recall the names and places of each sad occasion
But that’s no consolation here and now.

[chorus, with Che’s lines being sung by the starlets]

[Huevo:]
Don’t ask anymore.


madonna pra mim!

marcel badan

Era verão…. dia 20/12/08… minha vida nunca mais seria a mesma. Há um ano atrás (ok, agora é 1am do dia 21/12, mas anyway!) eu passei por um dos dias mais marcantes desde q nasci. aos 21 anos, eu finalmente consegui de perto o maior ícone da minha vida! nunca vou esquecer dos berros, da energia, da emoção, de tanta choradeira (nos 3 shows, mas no do dia 20 foi absurdo, pq eu tava no vip) enfim. foi ótimo encerrar o ano dessa forma!! amei! melhor do que qualquer sessão de terapia!!!


Former Love Words

num período crítico de algo semelhante à carência mas que não é necessariamente carência, achei nas páginas do meu moleskine que voltei a usar hj as palavras sutis e apaixonadas que recebi e escrevi em março, aqui vão alguns trechos:

eu. “…e vi que você é bem o que eu costumo dizer sobre meu tipo ideal…”
ele. “cada vez te vejo mais verdadeiro; quando te conheci não pensei que vc se mostraria dessa forma. eu gosto! eu gosto de sinceridade, de ver verdade no olhar. vc tem.”

“quero passar um tempo com vc hoje! não seja chato. estou triste e cansado! vai vai vai por favor!/vc é tão distante!/eu sei./pq?/vou ter que te comprar uma caixa de ouro branco, buceta!/não, vc já me conquistou, eu te beijei, não?/conquistei nada, vc só beija quem te conquista?/tirar um beijo de mim não é tão fácil ou simples, acredite/se conquistei pq foge sempre de mim?/eu sou lento, não gosto de sacanear ou iludir as pessoas./”

“talvez vc tenha entendido errado o meu ‘dormir comigo!’ quero jantar com vc e pegar no sono do seu lado!!/…vc é uma graça!”

bons tempos, marcel? não! péssimos! eu estava absolutamente apaixonado!

/detesto

heartbreak


lecram ,oirásrevina zilef

foi sábado. foi sábado o dia decisivo. após absolutamente meu mundo ter virado de ponta cabeça, o típico canceriano surtou e entrou em crise. afinal, também havia a crise existencial, e um medo/trauma. meu aniversário do ano passado foi terrível, quem foi sabe! ah, ninguém foi!

mas esse ano eu sabia que ía ser diferente, porque eu TINHA traçado objetivos no 20/07/08 e todos teriam amigos envolvidos, chega de solidão absoluta. férias não era mais desculpa para comemorar (not) sozinho.

afinal, já desabafei aqui o quanto acho comemorar meu aniversário detestável. envelhecer, e coisa e tal. gente, isso não é motivo de comemoração! mas já que estamos aqui, e já que as pessoas comemoram, vamos comemorar!

niver1

foram vários, mais do q estão na foto! e a minha alegria é inenarrável. amo todos! muito obrigado pelo presente que me deram!!


feliz aniversário, marcel.

festa

sei lá… estou fazendo 22 anos agora. nao agora exatamente, mas às 6:10 ou 10 pras 6 da manhã.
foram 22 anos de mtas desilusões, choros, mentiras, problemas e pedidos de socorro. mas tb de mtas risadas, mtas realizações, mtas sorte! sei que os tempos mudaram e blablablá, mas me considero um realizador. alcancei coisas grandes que acreditava jamais chegar perto de. não sei bem os motivos, mas sei q são traços meus que só eu tenho, e tenho mesmo! e sei que poucos percebem/valorizam – e são esses poucos que fazem parte do meu dia a dia por opção minha.
hoje eu -finalmente- cheguei em casa. o elevador parou no térreo e o porteiro me entregou um pacote com uma daquelas cartas devastadoras, q eu não recebia há anos – quando eu ainda namorava meninas. essa carta representa uma coisa acima de qlqr outra: melhorei! do ano passado para esse me prometi cultivar tudo aquilo de importante que me faltou, e uma carta como essa significa que sim, o fiz corretamente, e sou bem sucedido hoje! além da carta, agora esse post.
não me considero de fomar alguma pessimista, apesar de todos continuarem me dizendo isso. eu sei o que é bom e sou precavido com desilusões, cansei de me desiludir – com ambientes, pessoas, relacionamentos, compromissos. hoje, após tantos ‘choques’ (‘como pode terminar assim?!’), eu sei bem mais como evitar que isso se repita, e sem perder oportunidades, acreditem. são sei pq caí nesse assunto, mas acho que a desilusão foi uma das coisas que mais senti esse ano, além da dor de perdas infinitas. aliás, percebi mais um motivo para falar q não sou tão canceriano assim: cancerianos choram, eu choro. mas eles choram por tudo. eu só choro quando eu percebo/tenho certeza de que não me restam mais saídas, caminhos, chances.
após 6 meses complicados e entristecidos, pretendo ter 6 meses mais coloridos. faltou amarelo, faltou verde, faltou laranja. prometo buscá-los nos sorrisos, nas músicas, nos cheiros e nas composições que estarão no meu caminho.
obrigado pelos desejos, pelos anseios, pelos bocejos.